quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Resenha do livro O Ateneu

Resumo

Ateneu era o nome do colégio interno em Aristarco era o dono e o diretor, onde Sérgio, o personagem principal em 1ª pessoa, conta o que aconteceu nessa instituição num período de dois anos, ele ingressara nesse lugar quando tinha 11 anos a mandato do pai que profeticamente disse que o garoto encontraria o mundo lá dentro e deveria ter coragem pra lutar, por infelicidade do destino o menino foi visitado apenas por dois meses.
Logo no início das aulas um professor recomenda Sérgio a Rabelo, o aluno mais sério e que faz questão de mostrá-lo como funciona o sistema, os mais velhos e fortes fisicamente protegem os mais fracos em troca de favores sexuais, então Sérgio deveria impor-se  e não deixar ser protegido por ninguém.
Os colegas de classe são cerca de vinte, Sérgio realiza um breve descrição de alguns.
Nos fundos do colégio havia uma grande piscina onde os meninos se divertiam. Em um dos dias de diversão alguém puxa Sérgio pelas pernas, fazendo com que ele se afunde e afogue. Sanches o salva, mas depois ele tem fortes motivos que foi o próprio Sanches que fizera aquilo propositalmente, a partir desse episódio tornam-se amigos, com o passar do tempo Sérgio sente certo desgosto pelo jeito pegajoso do companheiro que tenta mais e mais se encostar-se a ele. Um dia, não agüentando mais as pressões sexuais de Sanches, o menino se afasta.
Após a decepção com Sanches, Sérgio apega-se a Franco, um marginal que elabora um plano, à noite ele acompanha Franco em sua vingança, o garoto malvado joga cacos de vidro na piscina para que todos se cortem no dia vindouro. Atormentado pela sua consciência, Sérgio passa a noite rezando para Santa Rosália e no dia seguinte descobre que a piscina foi esvaziada para limpeza e ninguém saiu ferido. Então ele ficou muito agradecido por a Santa e conclui que a religião seria um ótimo refugio para ele.
Mas religiosidade não dura muito tempo, o pai de Sérgio intervém discretamente no colégio, as condições melhoram para ele, então ele rebaixa a função da Santa Rosália e mais confiante em si próprio passa a encarar os inimigos de cima.
Pouco antes de o ano acabar, o Ateneu está em tédio, ninguém suporta estar mais tempo naquele lugar. As férias chegam, duram aproximadamente dois meses e logo depois estão todos de volta ao Ateneu.
Depois do passeio ao Corcovado e ao Jardim Botânico, acontece um escândalo no colégio, Aristarco descobre que dois garotos estão namorando e arma um verdadeiro inferno entre os alunos, em seguida mais outro escândalo, a “revolta da goiabada”, os alunos descobrem que estão comendo goiabada de banana há uns três meses, o diretor reconhece o erro e pede desculpas.
Então a “paz” reina no Ateneu e Sérgio faz uma amizade verdadeira com Egbert, um garoto de origem inglesa, os dois passam a fazer tudo junto, eram inseparáveis. Graças às boas notas, eles recebem um convite para jantar na casa do diretor, onde fica fascinado por a esposa do mestre Aristarco, Ema. Sérgio passa a ter sonhos com a Ema e amizade dele e Egbert esfriam.
A mudança de dormitório o afasta ainda mais de seu amigo. A camareira Ângela desperta nele e nos outros meninos uma incontrolável sensualidade. Sérgio fica sabendo que Franco está doente e vai visitá-lo, alguns dias depois o garoto morre. Ao desfazerem a cama a gravura de Santa Rosália cai do lençol.
O final do ano vem chegando e todos se ocupam com as preparações para a grande as festas de fim de ano do Ateneu. Nas festas sempre se fazem presentes grandes pessoas da sociedade. Após a festa de Educação Física, Sérgio adoece de Sarampo, seu pai viaja para a Europa com toda a família e ele é obrigado a ficar no colégio, onde recebe os cuidados de Ema.
Em uma manhã, um grito faz Sérgio estremecer no leito e abrir a janela, o Ateneu está em chamas. Américo, um menino estranho, que ficou na escola, obrigado pela família e que sumiu dali, é o principal suspeito do incêndio. Desapareceu também a senhora do diretor que, desconsolado, presencia tristemente sua obra virar cinzas.
       
                                                                                           Elon Souza Hanycettow 

Comentário

O narrador, Sérgio, fala das suas lembranças de infância e adolescência num colégio interno chamado Ateneu. Então, o foco narrativo em primeira pessoa impede que a obra seja classificada como somente do Realismo.
Na obra é possível observar a riqueza do estilo de Raul Pompéia, apresentando elementos realistas, parnasianistas e impressionistas, isso permite que O Ateneu seja exceção de todo e qualquer padrão literário.  Foi essa obra que rendeu o título de escritor ao Raul Pompéia.
Ainda podemos notar a lentidão na narrativa, o retrato fiel dos personagens, mostrando como realmente são, sem falar na linguagem super rebuscada e detalhista que ele utilizou para escrita do romance.. 
                                                                                                                             
                                                                                Elon Souza Hanycettow

12 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. e bom que eu n preciso ler o livro pra mim apresentar na frente kkkkkkkkkkkr

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. otimo resumo, mas, o livro acaba assim? sem mesmo falar o que aconteceu com Emma? ela morreu? n entendi , ela sumiuuu

    ResponderExcluir
  5. norsa! o livro no começo achei mt chato! mais como eu tinha que lê pra fazer uma prova,eu achei ele mt enteresante e entendi a história,é mt bom mesmo!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. GOSTEI MUITO DO RESUMO, SÓ FALTOU FALAR O QUE ACONTECEU COM A EMA E O AMÉRICO.

    ResponderExcluir